Como contratar jovem aprendiz: entenda como funciona!

Nova call to action

Dar espaço para novos profissionais e talentos potenciais é uma atitude indispensável nos dias de hoje. Para isso, foram criadas leis e determinações que garantem a inclusão de jovens no mercado de trabalho. Então, se você não sabe exatamente como contratar jovem aprendiz, não se preocupe. Nós vamos ajudá-lo.

Lendo este conteúdo até o final, você encontrará informações sobre o que é o Jovem Aprendiz, como funciona a Lei da Aprendizagem e como você pode levar essa prática para dentro da sua empresa. Gostou? Então, fique conosco e boa leitura!

O que é o jovem aprendiz?

O Jovem Aprendiz é um projeto federal, instituído pela Lei da Aprendizagem (n° 10.097/00). Esse programa é reconhecido como a primeira oportunidade dos jovens para ingressarem no mercado de trabalho. Por isso, seu objetivo é fazer com que as empresas adotem programas próprios capazes de capacitar jovens aprendizes.

Como explicaremos mais para frente, a quantia de Jovens Aprendizes que uma empresa pode – e deve – contratar varia de acordo com o número total de colaboradores (headcount).

Por isso, é essencial conhecer e acompanhar as principais métricas e indicadores do RH. Pensando nisso, separamos um modelo de apresentação de indicadores de RH que pode te ajudar!

A iniciativa teve início na necessidade de incluir os jovens no mercado de trabalho, dando a oportunidade do primeiro emprego, já que a Constituição de 1988 proíbe o trabalho a menores de 16 anos, exceto pela Lei da Aprendizagem. As regras são reguladas pela CLT — Consolidação das Leis do Trabalho — e ajustadas de acordo com a realidade dos aprendizes.

Esse projeto busca gerar benefícios tanto para os jovens quanto para as empresas que o implantam, já que gera mão de obra qualificada e preparação para o desempenho das atividades. Isso só é possível por meio de uma formação técnico-profissional de complexidade progressiva, com aplicação prática dos conhecimentos obtidos.

O programa acontece a partir de um curso preparatório de aprendizagem, com duração máxima de dois anos, e não exige experiência anterior. Essa capacitação é composta pela combinação de aulas teóricas, realizadas nas instituições capacitadas, e práticas, que são realizadas diretamente na empresa.

Como funciona a lei da aprendizagem?

A Lei da Aprendizagem é a determinação legal que trata dos assuntos relativos ao jovem aprendiz. Uma de suas funções é orientar as empresas sobre como contratá-los.

A lei tem por objetivo estimular a inserção dos jovens no mercado de trabalho, reduzindo a dificuldade que eles enfrentam em conquistar o seu primeiro emprego. Além disso, ela também atua na prevenção de quaisquer abusos que possam ser cometidos contra jovens trabalhadores.

Dessa forma, a lei determina que as empresas de médio e grande porte podem ter um número de jovens aprendizes que correspondam de 5% a 15% do seu quadro de funcionários. Os cargos ocupados por eles devem ainda demandar formação profissional.

Depois de aprimoradas as habilidades de interesse para a função, o jovem aprendiz poderá dar os seus primeiros passos em direção à sua profissão. No entanto, para participar do programa, ele deve respeitar algumas determinações:

  • precisa ter idade entre 14 e 24 anos, cabendo à empresa delimitar a idade mínima e máxima aceitas dentro desse intervalo;
  • deve estar matriculado na educação básica ou ter concluído o ensino médio;
  • é preferível que tenha uma boa frequência e desempenho escolar.

remuneração é calculada a partir de regras especiais, que partem do total de horas trabalhadas por mês (incluindo aulas, repouso remunerado e feriados). Para isso, deve ser utilizado o valor mínimo do salário por hora e o número de horas trabalhadas diariamente (no máximo, 8 horas).

Outra determinação da Lei da Aprendizagem é que o empregador conceda 13º salário ao jovem aprendiz, assim como férias coincidentes com as do período escolar. Em contrapartida, a empresa conta com benefícios fiscais e tributários que incluem:

  • pagamento de apenas 2% do FGTS;
  • isenção de multa de rescisão;
  • dispensa de aviso prévio remunerado;
  • isenção de acréscimo na contribuição previdenciária (para empresas enquadradas no Simples).

Outras informações podem ser consultadas no Manual do Aprendiz, emitido pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Como a empresa pode criar o seu próprio programa?

Para que o contrato de aprendizagem seja validado pela empresa, é necessário que haja anotação na carteira de trabalho. Além disso, é imprescindível realizar a inscrição no programa de aprendizagem, orientado por uma entidade qualificada, entre as quais estão:

  • SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial);
  • SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial);
  • SENAR (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural);
  • SENAT (Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte);
  • SESCOOP (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo).

Também estão inclusas as escolas técnicas e entidades sem fins lucrativos que assistam adolescentes e a educação profissional, com registro no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Como o aprendizado técnico-profissional fica a cargo dessas instituições, é preciso pensar no que, de fato, cabe à empresa. É responsabilidade dela arcar com todas as etapas do processo. Isso significa que a própria empresa empregadora deve realizar a matrícula do aprendiz junto ao curso de aprendizagem.

No entanto, antes mesmo de contratar o aprendiz, é muito importante que a organização prepare o seu ambiente interno para receber esse profissional. Essa preparação inclui a conscientização do quadro de funcionários sobre a importância do jovem dentro da empresa e como cada um pode contribuir para a sua melhor aprendizagem.

Para a contratação ser validada, como já citado, é preciso formalizá-la por meio da anotação na CTPS. Nessa anotação, devem constar:

  • a função, precedida da palavra “aprendiz”;
  • a data de início e término do contrato.

Outra etapa importante é determinar é a formalização do contrato de trabalho. Para que não falte nenhuma informação, é importante descrever a qualificação da empresa que está contratando e também a do aprendiz, assim como a identificação da instituição que ministrará o curso.

Depois disso, é necessário designar exatamente a função e o curso no qual o jovem aprendiz foi matriculado. Sua jornada diária e semanal, com a discriminação entre atividades teóricas e práticas, sua remuneração, o início e término de contrato e, finalmente, as assinaturas, também precisam compor o documento.

Entre as principais vantagens de contratar um jovem aprendiz estão:

  • oportunidade de desenvolver um perfil profissional desejado pela empresa;
  • fomento a grandes talentos potenciais;
  • inserção de novas ideias e perspectivas na equipe;
  • vantagens e incentivos fiscais;
  • contribuição social.

Agora que você já descobriu como contratar jovem aprendiz, que tal dividir essas informações com a sua rede de contatos? Compartilhe este post em suas redes sociais favoritas e passe adiante o conhecimento necessário para inserir cada vez mais jovens no mercado de trabalho!

Nova call to action
Nova call to action
Nova call to action

Faça parte da Jornada do RH Digital e comece 2021 com inovação. Inscreva-se!

Faça parte da Jornada do RH Digital e comece 2021 com inovação. Inscreva-se!

Veja os melhores momentos da live sobre cultura e diversidade no R&S. Preencha o formulário abaixo e assista agora!

Veja os melhores momentos da live sobre cultura e diversidade no R&S. Preencha o formulário abaixo e assista agora!

Quer participar com a gente? Preencha o formulário abaixo para mergulhar nessa transmissão gratuita cheia de aprendizados sobre diversidade e cultura…