Contratar um bom software de recrutamento e seleção pode fazer toda a diferença no departamento de RH da sua empresa. Com a ajuda dessa ferramenta, é possível fazer uma escolha mais acertada no meio de tantos candidatos que tentam uma vaga, além de montar um banco de talentos eficiente para os próximos cargos.

Ademais, essa solução tem que ser fácil de usar e atender às necessidades da sua corporação, já que empresas de setores e portes distintos têm demandas diferentes.

Parece uma questão complexa, não é mesmo? Neste post, vamos apresentar alguns aspectos que devem ser considerados na hora de fazer a escolha. Confira!

Como escolher um software de recrutamento e seleção?

Uma ferramenta tecnológica para o recrutamento e seleção de talentos vem como resposta a todo o progresso permitido pelas novas soluções de automação. É uma possibilidade de a empresa se modernizar ainda mais, queimando etapas burocráticas e conseguindo mais precisão.

Dentre as vantagens, podemos destacar:

  • diminuição de papel acumulado;
  • otimização de tempo durante a seleção;
  • gestão completa da seleção;
  • mensuração de resultados;
  • fortalecimento da marca empregadora;
  • integração de dados.

O que avaliar para escolher um software de recrutamento e seleção?

Para que você escolha exatamente uma ferramenta que resolva os problemas da sua empresa na hora de apurar qual candidato é o mais bem preparado, algumas dicas são bem úteis.

1. Faça a integração com portais de vagas e redes sociais

Os portais de vagas são canais importantes para o recrutamento de candidatos. Se, antes, os profissionais iam de porta em porta entregar seus currículos, hoje, eles disponibilizam o perfil nos sites de emprego mais conhecidos e candidatam-se para as oportunidades que chamam a sua atenção.

As redes sociais também são usadas como canal de comunicação entre empresas e trabalhadores. Muitas fazem buscas em grupos ou anunciam as suas vagas em sua própria página.

Essa prática não fica restrita apenas ao LinkedIn, que é uma rede social voltada para o mercado profissional. Podemos encontrar vagas de emprego publicadas no Facebook, no Twitter, e dependendo do perfil da organização, até mesmo no Instagram.

Escolher um software de recrutamento eficiente deve permitir a integração com essas plataformas, aumentando o alcance do anúncio e elevando a qualidade do recrutamento. Isso porque essa integração dá mais possibilidades de encontrar o funcionário ideal, porém de maneira organizada.

2. Use filtros avançados

Uma grande dificuldade na hora de selecionar as pessoas para uma entrevista é lidar com o alto volume de currículos recebidos. Por vezes, esse número é tão grande que inviabiliza uma avaliação apropriada de todos. Sem contar que, por e-mail, é natural que alguma mensagem se perca.

Um software de seleção deve contar com um filtro avançado que, com a ajuda de palavras-chave, consegue buscar os perfis que se encaixam naquela vaga ou competência estabelecida. Isso ajuda não apenas na seleção atual, mas na organização desses perfis para próximas oportunidades.

3. Mantenha um banco de talentos

Uma das atribuições mais interessantes na escolha de um bom software de R&S é a possibilidade de manter todas as informações relacionadas aos candidatos armazenadas e organizadas. Cheque se a solução que você está pesquisando tem espaço para manter todas as observações sobre os profissionais, como um banco de talentos mais bem detalhado.

Essa característica vai poupar muito tempo nos próximos processos seletivos, possibilitando a busca por perfis que já tenham fit cultural com a empresa, por exemplo.

4. Valorize a confiabilidade e a reputação da empresa

As chances de obter um bom atendimento de uma empresa com certa tradição no mercado são muito maiores. Afinal, quando a organização já tem um tempo de estrada, é bem provável que ofereça um serviço de qualidade.

Busque informações na internet para entender a reputação do fornecedor. Vale a pena fazer uma busca em sites de reclamações para conferir se há alguma menção ao trabalho prestado.

Outra boa estratégia é checar as organizações que já foram clientes desse fornecedor (geralmente, elas estão apontadas no site da própria empresa), entrar em contato e perguntar sobre o grau de satisfação em relação ao software.

Essas ações podem ser um pouquinho trabalhosas, mas evitam muita dor de cabeça na hora de escolher o fornecedor da solução.

5. Observe a qualidade do suporte técnico

Toda solução tecnológica precisa de um suporte para ajudar a resolver qualquer problema técnico. Por mais que você tenha uma equipe de TI competente, alguns detalhes são específicos da ferramenta em si e é indispensável que a empresa forneça um bom apoio técnico, tanto durante a implementação quanto no uso diário.

Avalie os horários disponibilizados e também a qualidade desse suporte. Os atendentes são solícitos e demonstram real empenho na hora de resolver o problema? Esses detalhes fazem toda a diferença quando há alguma complicação.

6. Priorize a apresentação de indicadores

É sempre importante entender se as seleções da sua empresa estão eficientes, trazendo os resultados esperados. A melhor maneira de verificar isso, além de acompanhar o desempenho dos colaboradores após a contratação, é usando dashboards que permitam uma visualização clara do processo.

Esses painéis dão uma visão muito rápida sobre as vagas que já foram preenchidas e quais precisam de atenção especial, exigindo uma ação mais pontual.

7. Estabeleça comunicação com o candidato

Passar um feedback para os profissionais que participaram do processo seletivo é importante para a imagem da empresa e essencial para o andamento do processo.

Por isso, cheque se o software que você está avaliando oferece ferramentas que permitam a comunicação com o candidato, ajudando a ter um controle mais completo dos dados e do processo.

Se puder enviar uma mala direta aos selecionados para a participação nas entrevistas, melhor ainda. O importante é que essa automação seja o mais completa possível.

Com essas 7 dicas, é possível escolher um software de recrutamento e seleção eficiente, que ajude na redução de custos e facilite o trabalho do RH. A empresa só tende a ganhar com esse investimento, contratando funcionários que realmente tenham as competências necessárias e formando equipes mais produtivas.